sábado , 25 janeiro 2020

PUGILISMO – Historiador escreve tese na USP sobre a História do Boxe em São Paulo

 

No dia 15 de outubro de 2019, o Departamento de História da Universidade de São Paulo avaliou pela primeira vez um trabalho que tinha como tema o Boxe brasileiro, pesquisa esta desenvolvida pelo historiador Breno Macedo. Macedo, que foi boxeador amador e fez graduação em História, escolheu como tema de sua pesquisa de mestrado o pugilismo paulista, batizando sua tese de “Sangue, Suor e Lágrimas: o Boxe em São Paulo de 1928 a 1953”.

Foram mais de três anos de pesquisas, estudos e escritas sobre os primórdios do Boxe brasileiro, dos anos 1920 até os anos 1950. A pesquisa se encerra no ano de 1953, ocasião em que Eder Jofre faz sua estreia como boxeador amador. Por se tratar de um trabalho pioneiro na área, Breno preferiu estudar o cenário do Boxe nacional antes de Eder, justamente para entender qual era o contexto que gerou o maior Peso Galo de todos os tempos.
Macedo aponta que uma das principais dificuldades encontradas durante a pesquisa foi a falta de documentação e outros estudos sobre o tema. “Infelizmente existem pouquíssimos livros ou estudos sobre a história do Boxe no Brasil, principalmente trabalhos acadêmicos. Porém pude utilizar como fonte os livros de Henrique Matteucci, Kaled Cury e Juvenal Queiroz, pessoas que lutaram Boxe nos anos 1940 e 1950 e escreveram relatos sobre suas experiências”.

Henrique Matteucci, além de ter se arriscado como pugilista amador, foi também um grande jornalista boxístico, tendo produzido o livro “Mitos e Histórias”, que foi de grande serventia ao historiador. “Utilizei dados e informações do livro de memórias do Matteucci para cruzar com outras fontes, jornais de época e entrevistas”. A influência da colônia italiana no Boxe paulista e a trajetória dos irmãos Kid Jofre e Kid Pratt foram temas abordados pelo pesquisador, tal como o início do Campeonato Forja de Campeões em 1941.

Banca de avaliação da pesquisa: José Carlos Florenzano (PUC), Enrico Spagiarri (USP), Flavio de Campos (orientador), Macedo e Francisco Alambert (USP).

 

O agora mestre em História entrevistou grandes personagens do Boxe nacional, como Newton Campos e Nelson Oliveira Goiaba. Campos tem 94 anos e é dirigente desde os anos 1940, enquanto Goiaba tem 90 anos e iniciou sua carreira como boxeador em 1947. “Meu trabalho tem como objetivo não deixar que o legado destas pessoas desapareça, exaltando e valorizando os arquitetos do Boxe brasileiro”, diz o pesquisador de 31 anos.
O trabalho foi avaliado por uma banca composta por três professores doutores, além de contar com a orientação do Prof. Dr. Flavio de Campos, da USP. Breno Macedo faz parte do LUDENS – Nucelo Interdisciplinar de Estudos sobre Futebol e Modalidades Lúdicas, laboratório de pesquisas sobre esportes da USP. Finalizado o mestrado, Breno planeja publicar a pesquisa, adaptando-a a uma escrita mais popular e menos acadêmica, buscando atingir toda a comunidade pugilística.

Foto: Cassimano

Além de historiador, Breno também foi atleta e é atualmente treinador e dirigente do Boxe paulista.

Sobre combat@123

Check Also

BOXING FOR YOU MAIS UMA VEZ QUEBRA PARADIGMAS NO BRASIL

  Em 2020, graças a parceria firmada com a Fox Sport Internacional, o Boxing For …