terça-feira , 12 novembro 2019

ARNOLD 2019 – BLACK SKULL : Old School e a nova geração caminhando juntas

BLACK SKULL : Old School e a nova geração caminhando juntas

 

“Quem não conhece o passado não sabe pra onde ir no futuro”. A frase de Fernando Marques, um dos treinadores mais renomados do País, retrata muito bem a homenagem que a Black Skull decidiu realizar no Arnold 2019.  Trazendo para o estante grandes fisiculturistas que fizeram história na modalidade, a marca reforça a importância do projeto Olympia Legends, que valoriza atletas e treinadores do bodybuilding raiz e incentiva a cultura “old school”.

 

“Tudo que esses ídolos fizeram e desbravaram pelo esporte muitas vezes é esquecido, mas se não fossem eles batalharem, conquistarem e competirem décadas atrás a nova geração de profissionais não existira. Ver os atletas de alto rendimento atual interagindo com eles foi importante mas foi uma surpresa maior notar a quantidade de pessoas que veio prestigiar essas lendas. Ou seja, muita gente ainda sabe valorizar essa história, o que confirmar que estamos no caminho certo”, destaca Fernando, gerente de eventos e responsável pelo atendimento e suporte aos atletas patrocinados.

 

Passaram pelo estande o australiano Josh Lenartowicz, Top 10 Mr. Olympia, e os brasileiros Luiz Otávio de Freitas, primeiro bodybuilder brasileiro a conquistar um campeonato mundial na categoria pesada (Mr. Universo 1987), e Eduardo Corrêa, maior finalista brasileiro da história do Mr. Olympia.

 

Radicado nos Estados Unidos e há muitos anos sem vir ao Brasil, Luiz Otávio de Freitas, está com 63 anos e se mostrou muito emocionado com a homenagem. “Para mim esse reconhecimento é motivo de muita emoção. Apesar das gerações terem evoluído, é um orgulho muito grande de ver o pessoal crescendo. Nos EUA o bodybuilding tem caído um pouco, mas eles reconhecem que o fitness está crescendo no Brasil em um volume muito mais rápido que lá. Apesar de não ter a mesma capacidade financeira, aqui tem mais material humano, pessoas mais jovens que incentivam a prática”, conta o agora fisioterapeuta e dono de uma academia.

 

Além desse resgate histórico, a Black Skull também fez sucesso com a degustação de novos produtos, exposição de carros blindados, motos Harley Davidson e apresentação de pole dance esportivo.

 

“A gente atinge um leque cada vez maior de pessoas. Por exemplo, o garoto que pratica um jogo de tiro no computador, ele não sabe quem são esses fisiculturistas, mas aqui no estande ele vê a caveira do BOPE ele se identifica. Várias mulheres não são praticantes de musculação mas vem aqui assistir o pole dance esportivo. Os fãs da marca sempre aguardam ansiosos pelas novidades e o Arnold é uma ótima oportunidade para estreitar o relacionamento com os varejistas”,  destaca Fernando.

 

BLACK SKULL

Sobre combat@123

Check Also

Karatê Kyoskushin: do apogeu a renovação

Karatê Kyoskushin: do apogeu a renovação   Após décadas de sucesso e uma queda no …